Vou Cair -I'm Goin' Down

Da Wikipédia, a enciclopédia livre

"Estou indo para baixo"
Capa do single de Bruce Springsteen mostrando o cantor vestindo um terno preto e agachado em frente a um fundo urbano escuro
Single de Bruce Springsteen
do álbum Born in the USA
Lado B
  • "Janey, Don't You Lose Heart" ( singles de 7 e 12 polegadas )
  • "Held Up Without a Gun" (somente single de 12 polegadas)
Liberado 27 de agosto de 1985 ( 27-08-1985 )
Gravado 12 a 13 de maio de 1982
Estúdio A Central Elétrica, Nova York
Gênero Pedra
Comprimento 3 : 29
Rótulo Colômbia
Compositor(es) Bruce Springsteen
Produtor(es)
Cronologia de singles de Bruce Springsteen
" Dias de Glória "
(1985)
" Estou indo para baixo "
(1985)
" Minha cidade natal "
(1985)

" I'm Goin' Down " é uma canção de rock escrita e interpretada pelo cantor e compositor americano Bruce Springsteen . Foi lançado em 27 de agosto de 1985 pela Columbia Records como o sexto single de seu álbum de 1984 Born in the USA A música foi gravada com a E Street Band em maio de 1982 no estúdio de música Power Station, e co-produzida por Springsteen, Jon Landau, Chuck Plotkin e Steve Van Zandt . Embora Springsteen tivesse mudado as ideias sobre as músicas para colocar no álbum, "I'm Goin' Down" acabou sendo selecionada para inclusão.

A gravação é baseada em uma performance enérgica da banda que dá destaque a um som pesado de bateria. As letras se concentram na frustração sexual em um relacionamento em deterioração. O single alcançou o nono lugar nos Estados Unidos e o top 30 na Suécia e no Canadá. No lançamento do álbum, foi elogiado pela crítica pela musicalidade da banda e pelos vocais e letras de Springsteen. Mais tarde, recebeu classificações favoráveis ​​em retrospectivas da carreira de Springsteen, entre as quais uma lista da NME chamando-a de sua quarta melhor música.

Springsteen não cantou a música com frequência desde a turnê Born in the USA . Entre 2002 e 2017, apareceu em cerca de sete por cento dos setlists publicados em seu site oficial. "I'm Goin' Down" foi regravada por Frank Black and the Catholics, Trampled by Turtles, Free Energy, Vampire Weekend e outros artistas.

Fundo e gravação

O cantor Bruce Springsteen mostrado da cintura para cima e cantando enquanto segura um microfone na boca
Springsteen se apresentando em Drammen, Noruega em 1981

O quinto álbum de Springsteen, The River, foi lançado em outubro de 1980 e alcançou o primeiro lugar na parada Billboard Top LPs & Tape . Seu acompanhamento, Nebraska, começou como uma série de gravações demo solo, das quais quinze músicas foram mixadas em uma fita cassete em 3 de janeiro de 1982. Em abril daquele ano, ele começou a gravar sessões no estúdio de música Power Station em Nova York com o E Street Band — cuja formação consistia então em Roy Bittan, Clarence Clemons, Danny Federici, Garry Tallent, Steve Van Zandt e Max Weinberg — com produção de Springsteen, Van Zandt, Jon Landau e Chuck Plotkin .

Ele primeiro gravou várias versões de bandas completas de músicas de Nebraska, incluindo " Atlantic City ", " Nebraska " e "Mansion on the Hill". No entanto, ele e seus co-produtores ficaram insatisfeitos com as gravações. Para ganhar tempo para decidir sobre a melhor abordagem para essas músicas, em maio de 1982 a banda começou a gravar outro material que ele havia escrito. "I'm Goin' Down" foi gravado entre 12 e 13 de maio, com Toby Scott como engenheiro de áudio e Billy Straus como um de seus assistentes. Em 2012, Clinton Heylin escreveu que ao longo dos dez takes gravados da música, Springsteen deixou a banda " vampar, apenas para reduzi-los na mixagem final". Eventualmente, Springsteen lançou dez das gravações solo da cassete de janeiro como o álbum Nebraska, que saiu em setembro de 1982, e temporariamente engavetou "I'm Goin' Down" e outras faixas da banda de maio.

Em 1983, ele gravou mais músicas com a E Street Band, mas estava pensando em usar faixas solo para seu próximo álbum, que acabou se tornando Born in the USA, como havia feito para Nebraska . No ano seguinte, Landau e Plotkin convenceram Springsteen a lançar faixas da banda, incluindo várias de maio de 1982 e várias músicas gravadas posteriormente. A certa altura, Springsteen não ia incluir "I'm Goin' Down" em Born in the USA, mas depois a adicionou no lugar de " Pink Cadillac ", que ele usou como lado B de " Dancing in the Dark". ".

Música, letras e temas

Música

Uma música de rock, "I'm Goin' Down" é descrita pelo colaborador da Uncut John Lewis como tendo uma influência da música country e "soando em lugares como Johnny Cash ". Para outros críticos, a música contém elementos rockabilly . Começa com uma curta linha de guitarra de duas frases, seguida pela batida pesada da bateria de Weinberg, um dos componentes mais proeminentes da música. Os biógrafos musicais Jean-Michel Guesdon e Philippe Margotin comentaram sobre a mixagem "assinatura" de Bob Clearmountain da faixa que faz a caixa soar "[estalar] como um chicote". Esses instrumentos são complementados por baixo de Tallent, uma parte de órgão Hammond B-3 de Federici e piano de Bittan. A música também inclui um solo de saxofone tenor de Clemons e palmas da banda. A música é baseada em uma progressão de acordes descendente de A ("I'm goin")– E (“down, down down”) – F m (“down, I’m goin”) – D (“down”), que é tocada ao longo da faixa, enquanto o baixo toca em torno da raiz de E.

Letras e temas

Os revisores comentaram sobre o contraste entre a música otimista da música e as letras tristes. A música explora temas de frustração sexual ou romântica, solidão e tristeza resultantes de relacionamentos malsucedidos. Alguns críticos encontraram humor nas letras, que descrevem incidentes como a namorada do narrador rejeitando suas tentativas de intimidade e suspirando de tédio, bem como o casal voltando para casa brigando depois de um encontro. Em concerto, Springsteen descreveu "I'm Goin' Down" em tom de brincadeira como "uma das minhas canções mais perspicazes sobre homens e mulheres". Em apresentações ao vivo de 1984, ele às vezes usava variações da seguinte introdução para a música: "[Primeiro] você está fazendo amor com eles o tempo todo, três ou quatro vezes por dia. Então você volta um pouco mais tarde, e, uh-oh ... é como 'Você vai fazer amor comigo esta noite, ou vamos esperar pela lua cheia de novo', sabe?"

Na análise feminista da pesquisadora Pamela Moss sobre classe social e gênero nas letras de Springsteen, ela descreve a obra da cantora do início a meados da década de 1980 como repleta de desespero. Moss afirma que, nesse contexto, os homens culpam as mulheres por não ajudá-las a realizar seu sonho de encontrar "uma terra prometida". Em "I'm Goin' Down", com a "deterioração de um relacionamento sexual desejável [o narrador] sente que está sendo 'armado' pela mulher apenas para que ela seja capaz de rejeitá-lo". De acordo com Moss, o homem vê a rejeição da mulher como uma interferência que impede sua tentativa de "libertar o tédio de uma existência da classe trabalhadora".

Liberação e recepção

Born in the USA foi lançado em 4 de junho de 1984 pela Columbia Records, e "I'm Goin' Down", o sexto single do álbum, em 27 de agosto de 1985. A versão single de 7 polegadas inclui o lado B "Janey, Don 't You Lose Heart", enquanto o Maxi de 12 polegadas tem "Janey, Don't You Lose Heart" e "Held Up Without a Gun". Nos Estados Unidos, "I'm Goin' Down" entrou na parada de singles da Billboard Hot 100 em 7 de setembro e alcançou a 9ª posição em 25 de outubro. um único álbum. Ele também traçou no Canadá, Austrália, Suécia e Alemanha. Nenhum videoclipe foi feito para a música. A faixa foi lançada adicionalmente em 12" Single Collection em 1985, e The Album Collection Vol. 1 1973-1984 em 2014. O escritor Greg Kot observou que, apesar do sucesso do single nas paradas, a música não foi incluída na compilação Greatest Hits de Springsteen de 1995 .

Músico Clarence Clemons no palco e tocando um saxofone na frente de um microfone
Os críticos elogiaram o solo de saxofone do membro da E Street Band, Clarence Clemons.

"I'm Goin' Down" foi geralmente bem recebido pela crítica na época do lançamento do álbum. Alguns críticos consideraram a música entre as melhores de Born in the USA, incluindo Ken Tucker, do The Philadelphia Inquirer, que chamou a faixa de uma das "peças centrais emocionais do álbum, e talvez [um dos] melhores exemplos das composições de Springsteen Até a presente data". Paul Willistein, do The Morning Call, e Cliff Radel, do The Cincinnati Enquirer, também elogiaram a composição. Willistein escreveu que a composição "evidencia vulnerabilidade, sensibilidade e sabedoria". Entre os componentes musicais elogiados pela crítica estavam sua percussão, vocais e violão, além do solo de saxofone de Clemons. A paixão dos músicos e a energia divertida da música foram outros elementos destacados pelos críticos. Debbie Miller, da Rolling Stone, descreveu a faixa como "maravilhosamente exuberante". O crítico de som Sandy Robertson, revisando uma versão de pré-lançamento de Born in the USA em que o título foi listado como "Down Down Down", caracterizou a música como "um single de sucesso se eu já ouvi um" e "o núcleo que justifica mais do hype despejado em [Springsteen]".

Algumas revisões contemporâneas foram negativas ou neutras. Ian Gill, do Vancouver Sun, descartou a faixa como "simplesmente uma concessão ao conjunto de espinhas". Sobre a escolha da música como sexto single do álbum, o crítico Jan DeKnock chamou o lançamento de "o fracasso da semana" que foi "um corte de preenchimento sem inspiração". David Hinkley, do Daily News de Nova York, considerou-a uma música corriqueira, na qual Springsteen não acrescentou muito de novo ao seu tema comum.

Performances ao vivo

Springsteen tocou "I'm Goin' Down" com pouca frequência desde o final da turnê Born in the USA . Para suas turnês entre 2002 e 2017, muitos dos setlists foram publicados em seu site oficial, Brucespringsteen.net . Destes, todas as performances do cantor da música estão listadas na tabela abaixo.

O cantor Bruce Springsteen e vários outros músicos no palco com um cartaz na frente de Springsteen no qual está escrito "I'm Goin' Down"
Springsteen com um sinal de um membro da platéia solicitando "I'm Goin' Down" em 21 de maio de 2009 em East Rutherford

Springsteen às vezes atende pedidos de músicas em shows coletando cartazes do público, como fez para "I'm Goin' Down" em 21 de maio de 2009 em East Rutherford, Nova Jersey, em 27 de fevereiro de 2016 em Rochester, Nova York e em 2 de agosto de 2008 em Foxborough, Massachusetts - onde ele apresentou a música como "raramente tocada e ainda mais raramente solicitada".

Vários críticos de música mencionaram como as versões ao vivo diferem da versão Born in the USA . Descrevendo uma apresentação da música em um show de 25 de agosto de 1984 em Landover, Maryland, o crítico Geoffrey Himes escreveu que o "arranjo do álbum enxuto e dominado por sintetizadores foi suplantado por uma versão completa do rock 'n' soul". Springsteen mais tarde admitiu que a versão gravada "teve um swing ... nunca poderíamos capturar ao vivo".

Versões herdadas e de capa

"I'm Goin' Down" recebeu várias classificações em visões gerais que consideram todas as músicas de Springsteen. Um artigo de 2017 na NME a chama de a quarta maior música de Springsteen de todos os tempos. Um artigo da Rolling Stone de 2014 classifica "I'm Goin' Down" como a 52ª melhor música de Bruce Springsteen de todos os tempos, e está incluída no livro Tougher Than the Rest: 100 Best Bruce Springsteen Songs do escritor June Skinner Sawyer . Por outro lado, em Counting Down Bruce Springsteen: His 100 Finest Songs, Jim Beviglia coloca "I'm Goin' Down" como a 131ª melhor faixa de Springsteen, chamando-a de "um trabalho divertido, mas relativamente menor". Um crítico do NJ.com a descreveu como a pior música de Born in the USA, e a colocou na posição nº 164 de 318 obras do cantor. Em 2015, Uncut avaliou a música com quatro estrelas de cinco.

No artigo da Billboard de 2014 "Bruce Springsteen's Born in the USA at 30: Classic Track-By-Track Album Review", Caryn Rose a chamou de "música mais subestimada" do álbum e "o tipo de música de festa que Springsteen e E Street faz o melhor, deslizando facilmente pelos versos com um... ritmo saltitante... e um final divertido e saltitante". A música também é descrita favoravelmente em " Born in the USA has been the test of time ", uma visão geral de 2002 no jornal Daily Record de Nova Jersey .

Após os ataques terroristas de 11 de setembro de 2001 no leste dos Estados Unidos, a Clear Channel Communications - proprietária na época de mais de 1.000 estações de rádio - emitiu um memorando de músicas para evitar temporariamente a reprodução, que incluía "I'm Goin' Down". A lista incluía músicas que eram "muito sombrias ... [ou se referiam] a acidentes ... ou morte", ou que simplesmente tinham títulos "questionáveis", o que poderia deprimir os ouvintes de luto pelos ataques.

Vários músicos fizeram um cover de "I'm Goin' Down". Em 1998, Frank Black and the Catholics - cujo líder da banda expressou sua admiração pela "brilhante ... estrutura" da gravação de Springsteen - incluiu uma versão em seu single "Dog Gone" e em 2015 em The Complete Recordings . O frontman do Rancid, Tim Armstrong, lançou uma capa em 2012 como parte de sua coleção Tim Timebomb and Friends, enquanto Dessa lançou uma versão em seu álbum de 2013, Parts of Speech . No ano seguinte, uma gravação com violinos e banjos do grupo de bluegrass Trampled by Turtles, que frequentemente tocava "I'm Goin' Down" em concertos, apareceu na coletânea de vários artistas Dead Man's Town: A Tribute to Born in the EUA

O vocalista do Vampire Weekend, Ezra Koenig, cantando no palco com três outros membros da banda tocando ao fundo
A banda Vampire Weekend lançou versões de "I'm Goin' Down" em 2010 e 2019.

Em setembro de 2010, as revistas online Stereogum e Pitchfork notaram como várias bandas recentemente tocaram "I'm Goin' Down" em apresentações ao vivo com semanas de intervalo: Vampire Weekend tocou a música em um show em Vancouver e alguns dias depois no início Setembro em um programa de rádio em Seattle, enquanto Free Energy e Titus Andronicus tocaram juntos no final daquele mês em Atlanta em sua turnê conjunta. Assim como Frank Black, os membros do Vampire Weekend expressaram sua grande consideração pela composição de Springsteen, entre os quais o vocalista Ezra Koenig já havia ouvido a música "constantemente", e o baixista Chris Baio citou as "melodias incríveis, letras incríveis" de Springsteen que levaram a banda a acho que "seria emocionante colocar [seu] giro" na música. Free Energy e Vampire Weekend lançaram uma gravação no iTunes em 2010. Outros lançamentos incluem um single do Spotify do Vampire Weekend em 2019.

Formatos e lista de faixas

  • simples de 7 polegadas
  1. "Estou indo para baixo" - 3:29
  2. "Janey, não perca o coração" - 3:23
  • simples de 12 polegadas
  1. "Estou indo para baixo" - 3:29
  2. "Janey, não perca o coração" - 3:23
  3. "Mantido sem uma arma" - 1:15

Gráficos

Desempenho gráfico semanal para "I'm Goin' Down"
Gráfico (1985)
Posição de pico
Parada de singles do Australian Kent Music Report 41
Parada de singles RPM canadense 23
Paradas de singles alemãs Gfk 61
Paradas de singles suecas de Sverigetopplistan 13
Billboard Hot 100 dos EUA 9

Pessoal

O pessoal listado abaixo participou da gravação de "I'm Goin' Down":

Músicos:

  • Bruce Springsteen – vocais, guitarras
  • Steve Van Zandt – guitarras
  • Clarence Clemons – saxofone, pandeiro
  • Roy Bittan – piano
  • Danny Federici – órgão
  • Garry Tallent – ​​baixo
  • Max Weinberg – bateria
  • O grupo – palmas

Equipe técnica:

  • Bruce Springsteen – produtor
  • Jon Landau – produtor
  • Chuck Plotkin – produtor
  • Steve Van Zandt – produtor
  • Toby Scott - engenheiro de áudio
  • John Davenport - engenheiro de áudio assistente
  • Jeff Hendrickson - engenheiro de áudio assistente
  • Bruce Lampcov - engenheiro de áudio assistente
  • Billy Straus - engenheiro de áudio assistente
  • Zoë Yanakas – assistente de engenharia de áudio
  • Bob Clearmountain – mixagem
  • Bob Ludwig – masterização

Notas

Notas de rodapé

Referências